SOBRE O PROJECTO FAIR – FAIR

Fighting Against Inmates’ Radicalisation

763538 - FAIR - JUST-AG-2016/JUST-AG-2016-03 PROJECT NUMBER: 763538

  • Prevenir a radicalização violenta de reclusos.
  • Promover a desradicalização.
  • Facilitar a reintegração na sociedade.

SOBRE O PROJECTO FAIR

Prevenir a radicalização violenta de reclusos.

Promover a desradicalização.

Facilitar a reintegração na sociedade. 

O FAIR aborda o problema da radicalização islâmica, com especial foco no sistema prisional, procurando:

  • criar um sistema interno e rápido de alerta, a pôr em prática pelos operacionais prisionais, de forma a detetar os sintomas de radicalização numa fase inicial, e
  • elaborar um modelo de detenção alternativo ao tradicional, que inclua programas de desradicalização e reabilitação para detidos/reclusos extremistas.

Os principais objectivos do FAIR são:

  • Prevenir e impedir o processo de radicalização e recrutamento de cidadãos europeus e estrangeiros por grupos terroristas afiliados ao ISIS,
  • Promover comportamentos de desradicalização em indivíduos radicalizados, na prisão.

Através de diversas actividades, o FAIR aborda e inclui ativamente os seguintes grupos-alvo:

  • 170 PROFISSIONAIS DO SISTEMA PRISIONAL (guardas prisionais, assistentes sociais, profissionais de saúde, voluntários, representantes religiosos, advogados) estão incluídos nos grupos de discussão e no programa de treino para operacionais prisionais (WP4). O objetivo é aumentar as suas competências e capacidades, e implementar um sistema de alerta que detete e monitorize o processo de radicalização dentro dos estabelecimentos prisionais. O programa segue as orientações de boas práticas europeias em termos de medidas de prevenção e combate da radicalização violenta, e, simultaneamente, mapeia as necessidades dos operacionais prisionais (WP3). O programa é suportado por duas ferramentas web: uma plataforma web com recursos úteis e um serviço de apoio/consulta on-line para operacionais prisionais. A divulgação ocorre através de redes sociais e em eventos de disseminação e (in)formação, nos 9 países parceiros (WP2).
  • 50 RECLUSOS abertamente radicalizados ou vulneráveis a recrutamento por grupos extremistas estão envolvidos no programa de reabilitação em 8 estabelecimentos prisionais europeus (Hungria, Itália, Lituânia, Malta, Holanda, Portugal, Roménia, Eslovénia).
  • 162 STAKEHOLDERS, representantes institucionais e do sistema judicial, estão envolvidos na divulgação do modelo de centros de detenção alternativos para reabilitação de reclusos radicalizados (WP5). O objetivo é alcançar acordos que permitam a sua viabilidade concreta e operacional nos sistemas prisionais.